Mestre Templário do Brasil encontra-se com o Mestre Geral dos Veneráveis da Itália

O encontro dos Mestres Diego Beltrutti e Albino Neves na cidade do Porto

Em sua estada no Continente Europeu, o Mestre Templário Fr.+++ Albino Neves, manteve vários encontros com membros da Ordem de vários países, além dos que manteve com o Grão-Mestre Dom Fernando de Sousa Fontes.

O Grão-Mestre Dom Fernando Fontes mostra o livro da Ordem ao Mestre Albino Neves

Às margens do Rio Douro, na cidade do Porto, Portugal, manteve um encontro com Diego Beltrutti di San Biagio, Mestre dos Veneráveis da Ordo Sancti Sepulchri, da Itália.

No encontro os Mestres Beltrutti e Albino Neves falaram sobre a simbologia Templária, sobre a riqueza Templária existente em Portugal, os mistérios ocultos no Castelo Templário de Tomar, tombado como Patrimônio da Humanidade, sobre as pesquisas que ambos estavam realizando em terras luzitanas e, sobretudo, sobre a importância da União Templária Mundial através de uma Federação Internacional, a ser firmada pelos principais líderes mundiais da Ordem e pelas Ramas reconhecidamente como “braços” dos primeiros integrantes da Ordem do Templo.

Diogo Bertrutti disse que na Itália, foi realizado um trabalho que possibilitou reunir todos os Veneráveis Mestres daquele país em torno de um projeto comum e único, e que, desta união, seu nome foi o escolhido para os representar como o Mestre dos demais, enfatizando “isso só aumentou a nossa responsabilidade diante da Ordem e daqueles que representamos” e acrescentou “se alguém pensa que tal nomeação é um status é porque não conhece o tamanho do trabalho e dos compromissos que acompanham o cargo”.

Albino Neves lamentou que “infelizmente ainda existe muita vaidade no meio e que o próprio Grão-Mestre reconhece isso”, destacando que é preciso que “todos respeitem os espaços demográficos uns dos outros, e que trabalhem não em prol de seus próprios interesses, mas, dos interesses da Ordem” e lembrou que quando esteve com Dom Fernando a primeira vez e apresentou-lhe o trabalho desenvolvido no Brasil, na época como representante do Gran Priorato Templário Internacional Jacques De Molay GPIT, o Grão-Mestre se mostrou sensível ao trabalho desenvolvido e face ao reconhecimento da importância do mesmo, como ele mesmo disse e “por merecimento”, o nomeou Legado Magistral do Brasil e agora Mestre Templário “mostrando assim com sua decisão que a União deve estar acima das nomenclaturas, desde que, se siga os princípios básicos dos fundadores da Ordem e das Regras ditadas por Bernardo de Claraval, hoje São Bernardo”.

Ao término do encontro os dois Mestres convidaram um ao outro a visitarem o Brasil e a Itália e assim, estreitarem “os laços que os une”.