Ermida de Santa Maria Madalena

Depois de inaugurar o Templo e a Sala de Vela de Armas em 2012, para completar o Complexo Templário Jacques De Molay que compõe o Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista - CPTB-CESJB, foi inaugurado em 31 de dezembro de 2015 a Ermida de Santa Maria Madalena, também construída toda em pedras, em estilo das construções Medievais.

A exemplo das outras obras do Complexo, a Ermida obedece um traçado esotérico e metafísico e foi construída em forma de cruz, numa referência à Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém e das Catedrais Góticas, construídas pela Ordem do Templo e espalhadas por toda a Europa.

A Ermida mede oito metros por seis, totalizando 48 metros quadrados que somados os números resulta em 12, o número de Apóstolos do Mestre Jesus e que somados resulta no número 3, o qual representa a Trindade Santa. Sua cobertura está assentada sobre 8 colunas cujo número simboliza o infinito. Seu teto é em forma de cúpula numa referência ao Templo onde encontra-se o Dolmo da Rocha, a Mesquita de El-Aqsa, construída sobre a rocha onde Abraão preparou seu filho para o sacrifício e onde os Templários se fixaram ao chegarem em Jerusalém. O local é considerado um dos lugares mais Sagrados da Terra pelas religiões monoteístas, o Cristianismo, o Islamismo e o Judaísmo.   

Da porta central até o altar existe um braço de uma cruz feita em pedras no chão, saindo o outro braço da porta lateral.

O término do braço que sai da porta central liga diretamente a um triângulo em pedra, simbolizando a Trindade Santa, que juntos formam uma seta sinal de direção, de indicação de caminho. A ponta de referida seta termina e indica uma cruz de pedra medindo 1,87 cm de altura, o que, segundo o Manto de Turin, guardados pela Ordem do Templo e doado a Igreja, seria a altura do Cristo.

A Cruz de pedra tem três pregos antigos cravados nela, um em cada braço e um na parte de baixo simbolizando o Cristo já ressuscitado. Na Cruz não existe uma imagem do Cristo.

No alto da Cruz um Anjo esculpido em mármore está assentado, simbolizando que ele velava o Cristo enquanto Este estivera ali pregado.

Na parte de cima da Cruz antes de serem assentadas as outras pedras que compõem a parede foram colocados fragmentos de pedras trazidas pelo Gran Prior Fr.+++ Albino Neves de Israel durante sua peregrinação a pé pelos caminhos percorridos por Jesus durante Seu ministério. Ali estão guardados fragmentos de terra de Belém, onde nasceu Jesus, Monte das Tentações, Monte das Beatitudes, Monte Tabor, Jerusalém, Tabiga, Nazaré, Tiberíades, Cafarnaum, Betânia, Mar da Galileia, Monte das Oliveiras, Qumran, Canaã e Yardenite (onde Jesus fora batizado por João Batista). Na ocasião em que as pedras foram recolhidas estavam presentes ao ato os Fr. ++ Lucas Izoton, Comendador do Espirito Santo e Eustáquio Palhares.

“A Cruz de Pedra está carregada das energias onde Jesus teria peregrinado e isso a torna ainda mais especial”, diz o doador dos fragmentos que nela foram depositados.

Também se encontra na parte interior da Ermida dois crânios: Um representando o de João Batista, patrono da Ordem e do GPTB-CESJB e percussor do Cristo e outro o de Santa Maria de Madalena, o qual encontra-se exposto da Catedral de Provença, para onde teria ela ido depois da morte de Jesus Cristo para evangelizar ao lado de São Máximo, Santa Maria Jacobé e Santa Maria Salomé e onde viveu até a sua morte.

O Altar é feito sobre duas grandes pedras onde sobre elas fora colocada uma prancha de pedra de quase dois metros de comprimento.

A obra foi construída pelo mestre em construções de pedra Lelei.

Na parede lateral encontra-se um sino de bronze que por quase um século encontrava-se em uma Igreja e que foi restaurado e ali instalado.

A Ermida tem acesso por uma escada e por uma rampa para facilitar a visita dos fiéis e Templários.

Outro fato curioso é na área onde está construída a Ermida de Santa Maria Madalena foram encontrados fragmentos de rochas em formação que não concluíram sua formação por ocasião em que a terra teria sofrido sua última grande transformação, tal material se encontra guardado e faz parte do acervo da Ordem.